Minha Infância

Adilson e Deosdete

Sentado num banco
Feito de madeira
Em frente a soleira
Já estava escuro


Me vi no passado
Quando era criança
A minha infância
Hey que tempo duro


Peguei a viola
Comecei a pontiar
Saiu da caixola
Uma melodia que me fez lembrar


O meu velho pai
Que tanto amei
Confesso que o peito
Apertou não aguentou
Bateu a saudade
Peguei a chorar


Sou filho da roça
Confesso, e não nego
Por onde andar
Desse jeito eu carrego
O som da viola
É minha inspiração
Que alivia a saudade
Que eu tenho do sertão


Lá em casa não tinha
Luz de energia
A luz que existia
Era de um lampião
E das lamparinas
Que a gente fazia
Meu deus que alegria
Aquele sertão


Carne preparada
Guardada na banha
Mamãe tinha as manhas
Pra não estragar


A água fresquinha
No filtro e no jarro
Fogão e as paredes
Na tinta do barro
No defumador
O toicinho a pingar


Sou filho da roça
Confesso, e não nego
Por onde andar
Desse jeito eu carrego
O som da viola
É minha inspiração
Que alivia a saudade
Que eu tenho do sertão


Depois de um dia
De muito trabalho
Mão cheia de calo
Num banco sentava
Radinho ligado
Ouvindo os caipiras
E o povo da roça
Sempre se alegrava


Peneira de milho
Ainda com casca
No dia seguinte
Tratar das galinhas
E toda a criação


Naquele sertão
Pra saber de noticias
As informações e coisas da polícia
A Voz do Brasil dava a informação

Composição: Deosdete BispoColaboração e revisão: Rafael Sfalsin

Cifra Club Academy

O ensino de música que cabe no seu tempo e no seu bolso!

Quero conhecer os cursos
Cifra Club Pro

Entre para o
Cifra Club PRO

Tenha acesso a benefícios exclusivos no App e no Site

  • Chega de anúncios

  • Mais recursos no app do afinador

  • Desconto em nossos produtos

  • Entre outras vantagens...