A biografia de Freddie Mercury em 30 fatos marcantes

Por Gislaine Costa

“Is this the real life? Is this just fantasy?” Há exatos 30 anos, o mundo perdia um dos maiores artistas que já passaram por aqui: o eterno ídolo do Queen! E para celebrar a memória do astro, vamos revistar a biografia de Freddie Mercury, contando curiosidades (que é o que não falta na sua vida excêntrica).

30 anos de saudade: 30 fatos sobre a biografia de Freddie Mercury

Os fatos aqui presentes retratam detalhes da vida do eterno vocalista do Queen, considerando a trajetória incrível desse ícone que nasceu para brilhar.

Durante a década de 80, o cantor Freddie Mercury com a coroa e o cetro de rainha na mão
Freddie Mercury, a majestade suprema do rock, se foi há 30 anos (Foto/Divulgação)

Então, vem com a gente conhecer mais sobre a carreira e vida pessoal de Freddie Mercury!

Nasce uma estrela… e não se chamava Freddie

Em 5 de setembro de 1946, nascia um menino que viria a se tornar um dos maiores nomes do rock: Farrokh Bulsara. Isso mesmo, apesar de ter ficado conhecido por Freddie Mercury em todo o mundo, esse não era seu nome de batismo.

Ele não era britânico

O Queen é, sem dúvidas, uma das maiores bandas britânicas, porém nosso amado Freddie não é natural da Inglaterra como muitos pensam. Na real, Mercury nasceu na cidade de Zanzibar, na Tanzânia, Costa Leste do continente africano.

O primeiro contato com a música

Quando tinha apenas 7 anos, o Freddie estudou em um dos melhores colégios da Índia e foi lá que teve suas primeiras aulas de piano. Com certeza, foi o pontapé inicial para uma carreira brilhante que estava por vir.

Chegando na terra da rainha

Em 1964, a família do nosso astro se viu obrigada a deixar seu país de origem. Acontece que vários países da África acabaram passando por uma revolução, então seus pais viajaram para a Inglaterra, levando Freddie e sua irmã.

Um Freddie universitário

Se fosse para chutar qual curso o ídolo do Queen fez na faculdade, qual seria seu palpite? Se disse Design Gráfico, meus parabéns! Curioso como a arte esteve presente na biografia de Freddie Mercury, né?

Tudo começou com um “Smile”

Nessa mesma época, Freddie conheceu Tim Staffell, que era vocalista e baixista da banda Smile. O grupo contava com ninguém menos que Brian May e Roger Taylor. Com a saída de Staffell, Freddie assumiu os vocais do que viria ser o grandioso Queen.

O nascimento do Queen

Após a formação da banda, Freddie sugeriu uma mudança de nome, afinal o anterior não passava a imagem que eles queriam no momento. “Queen”, que em tradução literal significa “Rainha”, era muito mais pomposo e ultrajante.

A simbologia e o quê artístico de Mercury

Você sabia que o icônico símbolo do Queen foi criado por Freddie? Pois é, ele partiu para um conceito bem místico, colocando os signos dos integrantes, coroa e uma fênix.

As suas referências

Em quem um ídolo se inspira? Ora, em mais ídolos! Entre as referências de Freddie, tinham nomes como: Rod Stewart, Beatles e The Who. Contudo, era Jimi Hendrix quem Mercury passava horas e mais horas ouvindo no alto da sua juventude.

De onde saiu o “Mercury”

Enquanto “Freddie” foi um apelido ganhando ainda na infância, “Mercury” veio de uma canção composta pelo vocalista do Queen. My Fairy King foi lançada em 1973 e trazia a menção a “Mother Mercury”.

A personalidade do astro

O vocalista do Queen era um fenômeno no palco, certo? Mas fora dos holofotes, todos retratavam Freddie como alguém tímido e calmo, apesar da personalidade forte. Quem diria, não é mesmo?

O amor por felinos

Outra curiosidade interessante da biografia de Freddie Mercury era que ele era adora gatos. Inclusive recebeu o título de “maior amante de gatos do rock”, segundo o Jornal The Telegraph.

Love of my life

Raramente, Mercury falava sobre sua vida pessoal, porém seu amor por Mary Austin, com que ele foi casado, era explícito. Inclusive, ela foi a grande inspiração para a icônica Love of my Life.

O segredo do seu poder vocal

De acordo com a ciência, Freddie Mercury foi o melhor cantor da história. Para muitos, inclusive, a responsável por isso era a formação característica da sua arcada dentária. Ou seja, os dentes avantajados ajudavam a potencializar a voz do cantor.

Bohemian Rhapsody, uma obra prima

Em 1975, foi lançada a Bohemian Rhapsody, canção lendária da banda que mistura rock e ópera e mudou a indústria fonográfica. Cada uma das notas passou pelo ouvido criterioso de Mercury até virar a obra prima que conhecemos.

A música composta em 10 minutos

Acredite se quiser, mas Crazy Little Thing Call Love foi composta em menos de 10 minutos. E ainda foi a primeira música da banda a chegar ao topo das paradas americanas. Nada mal, hein!

A mudança de visual

Das longas madeixas e roupas coloridas e espalhafatosas, o vocalista do Queen optou por cortar o cabelo e deixar o famoso bigode crescer. A mudança foi apenas uma escolha pessoal, já que o cantor dizia se sentir ridículo no antigo look.

Um símbolo por acidente

Uma das marcas registradas do Freddie era o microfone que ele usava, mas o surgimento desse símbolo ocorreu por acaso. Em uma apresentação, o pedestal quebrou e o nosso astro pensou que aquilo parecia um cetro da rainha e adotou de vez o estilo.

Separados por uma lhama

Michael Jackson e Freddie Mercury trabalhando juntos? Era o que teria acontecido se não fosse por uma lhama. Segundo o que diz a biografia de Freddie, ele teria interrompido as gravações devido o rei do pop manter o animal no estúdio. Um show de excentricidades.

A treta no Brasil

Os shows no Queen no Brasil foram verdadeiros sucessos, porém o clima no backstage não era nada bom. Freddie estava brigado com os integrantes da banda e também rolaram rumores de que as altas exigências do vocalista incomodaram os organizadores do evento.

Um rei e uma princesa disfarçados

Além de MJ, Mercury tinha outros amigos muito famosos, como a Princesa Diana. Porém, o assédio de fãs e paparazzis tornava os seus encontros impossíveis. Por isso, Freddie convenceu Lady Di a se vestir como um homem para poderem passar despercebidos (e funcionou!).

O voo solo

Fora do Queen, Freddie também lançou outros trabalhos, são eles: Mr. Bad Guy, de 1985, e Barcelona, de 1988. Os álbuns solos, no entanto, foram recebidos sem muito entusiamos por parte do público.

O Live Aid

O Queen teve muitos shows memoráveis, porém um deles conseguiu ser o mais icônico. Foi o Live Aid, festival beneficente britânico, em que a banda tocou os seus principais sucessos para milhares de pessoas.

Sexualidade

Há muitos rumores relacionados a esse tema e a Freddie. Muitas pessoas o retratavam como homossexual, mas ele manteve relacionamentos com homens e mulheres ao longo de sua vida, podendo ter sido bissexual não assumido.

Um rei adoecido

No início de 1987, Mercury descobriu que contraiu o vírus HIV. Devido ao tabu da época e também ao seu jeito reservado, apenas os seus amigos mais próximos souberam desse triste diagnóstico.

Freddie, o incansável

Infelizmente, o estado de saúde dele foi logo debilitado. Contudo, Freddie era uma máquina de produzir, inclusive até antecipou os vocais de músicas para elas que pudessem ser finalizadas depois de sua partida.

Súditos sem o rei

Em 24 de novembro de 1991, o mundo dava adeus a uma das maiores vozes já ouvidas no mundo do rock. Freddie faleceu em decorrência de uma broncopneumonia, ocasionada pelo HIV.

O fim reservado

Apenas Mary Austin, os membros da banda, seu companheiro e familiares sabem onde foram guardadas as cinzas do astro. Mesmo depois de sua morte, aqueles que o rodeavam mantiveram a sua vontade de manter assuntos pessoas reservados.

Freddie era astronômico

No mesmo ano de sua partida, um asteroide foi detectado rondando o espaço. A equipe responsável pela descoberta homenageou Freddie, dando seu nome ao elemento espacial.

O legado de Freddie Mercury

O eterno ídolo do Queen foi um dos grandes nomes da história do rock e inspirou outros grandes artistas como Axl Rose, Dave Grohl e Lady Gaga. Além disso, sua morte comoveu o mundo, trouxe a discussão sobre o HIV e ainda levantou fundos em prol da causa. Tal como um rei, o legado de Freddie nunca terá fim.

Essas foram os principais fatos da biografia de Freddie Mercury. E agora é sua vez! Compartilhe o post com os seus amigos e nos ajude a homenagear o inesquecível vocalista do Queen e mantê-lo vivo em nossa memória!