Clube dos 27: relembre os artistas que morreram aos 27 anos

Por Gustavo Morais

O popular Clube dos 27 é um assunto enigmático no universo musical. Afinal, ele indica a idade com que alguns dos ícones da música partiram para outra dimensão astral. Em outras palavras, estamos falando do rol de artistas que morreram aos 27 anos. 

Brian Jones e Jimi Hendrix, membros do Clube dos 27, caminhando nos bastidores de algum festival de música
Brian Jones e Jimi Hendrix: heróis da guitarra que fazem do Clube dos 27 (Reprodução/Internet)

Além de compartilharem a mesma idade da época de suas respectivas morte, os artistas do Clube dos 27 compartilham o fato de serem destaque. Nesse sentido, são talentos que realmente fizeram a diferença em sua área de atuação. Logo, os nomes que fomentam essa lenda (ou maldição, para alguns) reúnem todos os requisitos para serem eternizados nas mentes e nos corações de um infinito de pessoas.

Ao contrário do que muitos pensam, essa idade não é um fenômeno típico das décadas de 60 e 70, ou seja, essas mortes prematuras acontecem desde sempre. O que fica, no entanto, é a saudade e o dever moral de honrar esses legados. 

As grandes perdas do Clube dos 27

A história da música é repleta de artistas que morreram aos 27 anos. Neste artigo, vamos relembrar algumas dessas perdas. E só pra constar, o Clube dos 27 não é exclusivo para rock stars, conforme você confere a seguir.

Robert Johnson – Mestre do blues

Protagonista da história do blues, o músico Robert Johnson morreu em agosto de 1938. Segundo alguns, Robert foi envenenado em um bar, após tentar “talaricar” o dono do estabelecimento. De acordo com lendas urbanas, no entanto, o mestre Delta Blues teria vendido sua alma ao diabo em troca de um surreal talento para tocar guitarra. Em outras palavras, Johnson inovou a história da música, mas o diabo “cobrou” a dívida.

No final das contas, a causa da morte do primeiro guitar hero da história nunca foi esclarecida. Enquanto tira suas conclusões, que tal ouvir a viciante Sweet Home Chicago?

Brian Jones – Rolling Stones

No já distante 3 de julho de 1969, o músico Brian Jones foi encontrado afogado na piscina de sua casa. De acordo com a certidão de óbito, a morte foi acidental. Pouco antes de morrer, o exagerado consumo de drogas fez com que Jones fosse convidado a se retirar da banda que ajudou a fundar: The Rolling Stones.

Entre outras coisas, Brian era multi-instrumentista (tocava instrumentos de corda, sopro, percussão e eletrônicos). Além disso, ensinou Mick Jagger a tocar gaita e fez Keith Richards ser o maior dos outsiders do rock. Abaixo, você confere Brian tocando sitar na hipnótica Paint it Black.

Jimi Hendrix – guita hero

O legendário guitarrista Jimi Hendrix morreu asfixiado pelo próprio vômito em um quarto de hotel, na Inglaterra, no dia 18 de setembro de 1970. Na ocasião, Hendrix consumia bebidas e drogas sem a menor moderação.

Com sua capacidade suprema de dominar as técnicas de improvisação musical, Hendrix, inovou a guitarra elétrica nos 60. Com muito feeling e sagacidade, o “canhotinha de ouro” sabia como propor as mais mirabolantes soluções melódicas e harmoniosas. Antes de aprender a tocar Hey Joe, confira como o cara incendiava tudo.

Janis Joplin – rockeira americana

No dia 4 de outubro também de 1970, o mundo perdeu outro grande talento da música. A cantora Janis Joplin teve uma overdose de heroína e faleceu na cidade de Los Angeles, na Califórnia.

A voz de Janis é uma eterna força da natureza. Além de potencializar a representatividade feminina no rock, a cantora foi expoente do flower power. A morte dela, no entanto, nos ajudou a entender que o sonho estava, de fato, chegando acabando.

Jim Morrison – The Doors

No dia 3 de julho de 1971, Jim Morrison morreu na banheira de seu apartamento, em Paris. O relatório oficial diz que um ataque cardíaco tirou a vida do então vocalista da banda The Doors. Cinquenta anos após a sua morte, no entanto, ainda circulam teorias de overdose e assassinato.

Com sua voz potente e com sua poesia, que ia o hedonismo às crises existenciais, Jim personificou o tripé “sexo, drogas e rock and roll”. Além disso, o cantor sempre será um das personalidades mais inteligentes, sensuais e carismáticas da cultura pop.

Para celebrar o legado do King Lizard, vamos curtir o clássico Break On Through.

Evaldo Braga – astro da música brega

Ícone da música brega, bem como importante para o soul brasileiro, Evaldo Braga fez muito sucesso na década de 1970. O cantor morreu em um acidente de carro na BR-3 (atual BR-040), em 31 de janeiro de 1973, quando seu Volkswagen TL chocou-se de frente com uma carreta Scania Vabis.

Também chamado “O Ídolo Negro”, Evaldo deixou hits eternamente populares, incluindo a inconfundível Sorria, Sorria.

Pete Ham – Badfinger

O galês Pete Ham foi guitarrista e um dos vocalistas da banda Badfinger, expoente do rock britânico das décadas de 60 e 70. Por volta de 1974, o grupo mergulhou em problemas financeiros com sua gravadora. A situação ficou insustentável, no entanto, quando um dos empresários fugiu com o dinheiro. Sentindo-se culpado por não conseguir manejar a crise, Ham cometeu suicídio por enforcamento, em 24 de abril de 1975, deixando sua namorada grávida.

Como legado, o Badfinger deixou hits do naipe de No Matter What, Day After Day e Baby Blue, esta última foi trilha da última cena da série Breaking Bad (2010).

André Pretorius – Aborto Elétrico

O sul-africano André Pretorius morreu por overdose de heroína, no dia 13 de outubro de 1988, na Alemanha. Cerca de 10 anos antes, no entanto, Pretorius morava em Brasília e foi um dos fundadores do Aborto Elétrico, banda seminal do punk brasileiro.

Atuando como guitarrista e compositor do Aborto, Andre foi coautor das faixas Benzina, Baader-meinhof Blues Nº 1 e Música Urbana, músicas posteriormente aproveitadas pela banda Capital Inicial.

Kurt Cobain – Nirvana

Kurt Cobain entrou para o Cube dos 27 no dia 8 de abril de 1994. De acordo com as investigações policiais, “a alma” do Nirvana cometeu suicídio três dias antes nas dependências de sua casa, em Seattle. Porém, boa parte de seus fãs acreditam que ele foi assassinado.

Comandando o Nirvana, Cobain ajudou a reinventar o rock dos anos 90. Apostando na estética sonora da simplicidade, além das letras confessionais e pessoais, o artista foi um sopro de renovação em tempos tão repetitivos. Após dar o play no vídeo abaixo, que tal aprender a tocar Come As You Are no violão?

El Potro – cantor de cuarteto

Rodrigo “El Potro” Bueno foi um cantor argentino de cuarteto, gênero da música popular da Argentina, caracterizado por ser alegre e festivo. Rodrigo morreu no dia 24 de junho de 2000, depois de um show em La Plata, num acidente de carro em uma rodovia que leva a Buenos Aires. Na ocasião, o artista perdeu o controle de seu Ford Explorer, bateu contra a barreira de contenção, e foi projetado do veículo, pois não estava usando o cinto de segurança.

Um dos grandes sucessos de El Potro foi a música La Mano de Dios, faixa que exalta a trajetória de Diego Maradona.

Amy Winehouse – pop star britânica

O Clube dos 27 ficou ainda mais triste no início da tarde de 23 de julho de 2011. Naquele dia, a cantora Amy Winehouse foi encontrada morta na casa em que morava, no bairro de Camden, em Londres. Amy tinha um longo histórico envolvendo uso de drogas, bebidas e tentativas de reabilitação.

Apesar do pouco tempo de vida, bem como de carreira, o talento da cantora é indiscutível. Com bastante carisma, timbre inconfundível e ótima afinação, Amy sacudiu a música do século XXI. Antes de aprender a tocar a versão simplificada da música Valerie, dê o play e mate um pouco a saudade.

Outros artistas que morreram aos 27 anos

O Clube dos 27 não é formado somente pelos artistas acima. Abaixo, você confere algumas menções honrosas.

  • Rudy Lewis, vocalista do The Drifters, 20 de maio de 1964, overdose
  • Alan “Blind Owl” Wilson, guitarrista do Canned Heat, 3 de setembro de 1970, overdose de barbitúricos, provável suicídio;
  • Les Harvey, guitarrista do do Stone the Crows, 3 de maio de 1972, eletrocutado ao tocar em um microfone com os pés molhados
  • Ron “Pigpen” McKernan, tecladista e vocalista do Grateful Dead, 8 de março de 1973, hemorragia gastrointestinal em decorrência de alcoolismo
  • Dave Alexander, baixista do The Stooges, 10 de fevereiro de 1975, edema pulmonar
  • Kristen Pfaff, baixista do Hole, 16 de junho de 1994, overdose de heroína
  • Valentín Elizalde, cantor de corrido [música mexicana], 25 de novembro de 2006, assassinado a tiros por um membro do cartel Los Zetas
  • Jonghyun, membro do grupo de k-pop SHINee, 18 de dezembro de 2017, suicídio por envenenamento
  • Fredo Santana, rapper americano, 19 de janeiro de 2018, convulsão fatal

Por fim, nunca saberemos se o Clube dos 27 é uma infeliz coincidência ou se é uma sina sobrenatural. Essa incerteza, inclusive, é bem pequena perto da saudade e do legado que cada um desses artistas deixou.