As 10 melhores músicas de Marisa Monte para ouvir e tocar

Por Gilberto Pinho

O dia de hoje é especial! Afinal, selecionamos as melhores cifras de músicas da Marisa Monte para você aprender no violão. Além disso, recheamos o texto com dicas essenciais para facilitar o seu estudo.

Marisa Monte tocando violão e cantando de olhos fechados em show
Marisa Monte canta as músicas que contam as histórias da vida da gente (Foto/Divulgação)

Sendo assim, vamos bater um papo sobre a obra dessa importante cantora da MPB. A artista carioca tem uma das vozes mais belas do nosso país e, para completar, ela é compositora, produtora e multi-instrumentista.

Ao longo de mais de 30 anos de carreira, Marisa imortalizou uma série de canções e fez parte de conjuntos incríveis. Aliás, ela sabe como poucos transitar entre a MPB e outros estilos musicais. Por essas e outras, nada mais justo do que celebrarmos esse talento conferindo as principais cifras de Marisa Monte.

Aprende a tocar as melhores músicas de Marisa Monte

Assim, selecionamos 10 canções da compositora para você aprender a tocar hoje mesmo. Todas as dicas vão te ajudar a entender as peculiaridades de cada obra. Portanto, ao final, você estará pronto para adicioná-las ao seu repertório. Vamos lá?

Ainda Bem 

A primeira observação sobre Ainda Bem é que a cantora utiliza uma afinação alternativa para tocar. Assim, as cordas ficam em E – B – G – D – A – D (de baixo para cima). Percebeu a diferença? A sexta corda, a Mizona, ao invés de estar em Mi, está em D.

O ritmo possui o clima romântico do bolero. Sobre os acordes, somente o Gm precisa de pestana. Ademais, atenção ao Bb/D, shape pouco usual e que vai exigir elasticidade dos seus dedos.

Vilarejo

A canção Vilarejo já é mais elaborada. No entanto, você não precisa se preocupar com a pestana, pois basta utilizar o capotraste na 1ª casa.

Além disso, o ritmo de valsa é fácil de executar. Toque o bordão com o polegar no tempo 1 e as primas com os dedos indicador, médio e anelar nos tempos 2 e 3. É bem tranquila, não é?

Bem Que Se Quis

Sem dúvidas, a canção Bem Que Se Quis é uma das mais bonitas e, ao mesmo tempo, difíceis da Marisa Monte. Está no tom de Eb e possui 13 acordes (alguns com pestana).

No entanto, podemos facilitar e tocar a música em D. Apesar de não ser o tom original, também fica lindo. Em relação ao ritmo, experimente variar para alternar a intensidade entre as estrofes e o refrão.

A Sua

Agora, apresentamos a música A Sua, linda, genial e um pouco complicada. Possui o compasso binário e a introdução é simples. Experimente dedilhar esse trecho, pois dá um toque especial.

Na versão simplificada, ela está no tom de G e nenhum dos 7 shapes precisa de pestana. Alguns deles são empréstimos modais, como A7, C7, D7M e E7. Portanto, eles preparam os acordes diatônicos de G, C, D e D7.

Velha Infância

Outro clássico de Marisa Monte, desta vez emplacada pelo grupo Os Tribalistas, Velha Infância é suave e muito fácil de tocar. Afinal, são apenas três acordes (F#m, Bm e E). A canção está no tom de F#m, relativo de A.

No entanto, dois acordes pedem pela pestana: Bm e F#m. Se você for iniciante, experimente mudar o tom para Am (aproveite a ferramenta do Cifra Club para isso). Dessa forma, você dispensa o principal obstáculo para quem está começando, a pestana.

Segue o Seco

Outra música fácil de tocar é Segue o Seco. A introdução possui timbres que lembram a música indiana. No entanto, o ritmo é simples, assim como a progressão de acordes.

A versão original está em Bb e conta com apenas dois acordes, ambos com pestana. Portanto, com um pouco de esforço, você, iniciante, pode aprender a tocar. Mas, se quiser facilitar, experimente transpor para o tom de A ou D.

Amor I Love You

Mais do que uma música, Amor I Love You é considerada o hino da cantora. E não é à toa, já que é capaz de amolecer corações rígidos. A progressão dos acordes não é tão complexa, mas, mesmo assim, é um desafio para os iniciantes.

O ritmo é simples e você pode variar a intensidade para melhorar a dinâmica. Escrita em D, possui 8 acordes, sendo 3 com pestana. Porém, os últimos utilizam o mesmo shape e, em alguns casos, estão em sequência descendente, como na passagem F#m – Fm – Em.

Depois

Além de canções românticas e suaves, a compositora também aborda desilusões, ao estilo sofrência. Sendo assim, Depois tem o caráter reflexivo, mas usa o ritmo do pop para passar sua mensagem. Aliás, são quatro partes que se repetem.

Na versão original, Marisa Monte utiliza o capotraste na 1ª casa. A pestana é utilizada somente em um dos acordes. Portanto, mesmo que com um pouco de treino, os iniciantes também podem tocá-la.

Ainda Lembro 

Mais um grande sucesso da cantora carioca, agora com participação especial de Ed Motta. Apesar de ter uma levada simples, a progressão dos acordes da Ainda Lembro é complexa. Ademais, foi composta no tom de A e possui 14 shapes.

Muitos dos acordes possuem tensões harmônicas, dando um colorido especial. Sendo assim, é uma canção para quem está pelo menos no nível intermediário. Logo, pode ser um grande desafio, mas vale a pena tentar.

Não Vá Embora

Para encerrar nossa lista das melhores cifras de Marisa Monte, selecionamos um hit muito fácil de tocar, com uma levada tradicional do pop rock. Não Vá Embora possui timbres psicodélicos e distorcidos, mas fica linda numa versão de voz e violão. Possui apenas 4 acordes, porém há alternâncias do centro tonal.

Nesse sentido, a música começa no acorde de Em, mas finaliza em G. Os outros shapes são de Am e Am7. Dessa forma, qualquer um pode tocá-la, já que são formas simples e que não precisam da pestana.

E aí, gostou das dicas para tocar as melhores cifras de músicas da Marisa Monte? Então, o que acha de compartilhar o texto com seus amigos? Dessa maneira, vocês podem se divertir tocando os maiores sucessos da cantora. Além disso, é uma forma de divulgar a obra de uma das vozes mais talentosas do nosso Brasil!