Músicos se pronunciam contra a eleição de Trump nos EUA

Por Damy Coelho

O Brasil acordou hoje com a notícia de que Donald Trump é o novo presidente dos Estados Unidos. A notícia pegou muita gente de surpresa, já que as últimas pesquisas apontavam a vitória (mesmo tímida) de Hillary Clinton. Em tempos de eleições acirradas, recheadas de discursos de ódio por parte do presidente eleito, de desconfianças em relação à Hillary e com um índice de rejeição dos dois candidatos batendo recordes, os ânimos estão à flor da pale. Pessoas de todo o mundo resolveram dar o seu pitaco nas redes sociais sobre o resultado da votação – inclusive os músicos.

Veja o que alguns dos grandes nomes da música pop tuitaram após a notícia oficial da vitória de Trump:

Rihanna usando sua camisa pró-Hillary antes de votar (Foto: Reprodução/Twitter)

Ariana Grande acompanhou a apuração comentando em seu Twitter a cada momento, inclusive no mais decisivo, quando as contagens de voto da Flórida começaram a aparecer. No final da apuração, a cantora mandou: “Não é possível. Estou chorando”.

A inglesa Lily Allen também se posicionou no Twitter durante toda a apuração, inclusive respondendo comentários de eleitores pró-Trump. Ao fim da eleição, a cantora publicou: “Ouvindo meus bebês cantando um com o outro pelo monitor. O mundo é um lugar muito mais sombrio do que aquele onde eu queria que eles dormissem. Triste”.

Janelle Monáe – a cantora também fez uma série de tuítes: um afirmando que a América está cheia de idiotas e, por fim, afirmou: “De novo a América continua a prejudicar MULHERES, MINORIAS, MULÇUMANOS E IMIGRANTES, LOBTQ. Isso é lamentável”.

Demi Lovato: “Que Deus abençoe a geração da minha irmã mais nova”.

Courtney Love: “Chocada! Isso é real??”

Lady Gaga postou uma foto em seu Instagram na manhã desta quarta (9), empunhado um cartaz contra Donald Trump. “Quero viver em um país generoso. Ele nos dividiu de forma tão negligente. Precisamos cuidar um dos outros agora”, escreveu na legenda.

Katy Perry:  “Não fique parado. Não chore. Mexa-se. Não vamos deixar o ódio liderar nossa nação”.