Os melhores artistas da MPB pra colocar na playlist

Por Thiago Fagundes

A MPB surgiu nos anos 1960 como um passo adiante em relação à Bossa Nova. Posteriormente, ela adentrou os anos de chumbo da ditadura como música de protesto. Aliás, os melhores artistas da MPB ainda são protagonistas da cena cultural no país nos dias atuais.

Por isso, neste post vamos prestar nosso tributo à Música Popular Brasileira. Nesse sentido, decidimos fazer um recorte com alguns dos artistas mais interessantes deste gênero.

Enriqueça sua playlist com os melhores artistas da MPB

O objetivo é dar a você, caro leitor, uns toques sobre quem não pode ficar de fora das suas playlists de MPB. Além disso, queremos contemplar também músicos de variadas gerações desse estilo. Confira!

Caetano Veloso

Caetano é um poeta e melody maker dos melhores que o Brasil produziu. Além disso, estamos falando de um dos intelectuais mais respeitados do lado de cá da Linha do Equador. Inegavelmente, o cara sempre teve um papel de destaque no debate público no país.

Caetano Veloso no III Festival da Música Popular, em 1967 (Foto/Arquivo Nacional/Domínio Público)

Além disso, o cara é tão icônico que acabou gerando um dos memes mais clássicos da internet. Já tá meio saturado, ok… mas o “você é burro”, extraído de uma icônica entrevista, rendeu boas risadas e paródias com auto-tune em 2013. 

Brincadeiras à parte, Caetano foi revolucionário, pois encabeçou o movimento Tropicalista nos anos 1960. Além disso, apareceu na cena musical na era dos festivais de música brasileira. Corajoso e combativo, esse artista sempre foi contestador e derrubou barreiras políticas e estéticas com seu trabalho.

Uma fase bem legal do percurso deste artista é a sua parceria mais recente com a banda Cê. Aliás, no palco com esse power trio, o cara mostra que é mesmo um dos MPBistas que melhor soube incorporar o rock a sua estética musical. Confira aí a performance de Abraçaço.

Chico Buarque

Além de ser um grande músico e compositor da MPB, Chico Buarque é também um dos maiores autores vivos da literatura brasileira. E não é exagero, galera, o cara ganhou três vezes o prêmio Jabuti, maior honraria da nossa literatura. 

Mais recentemente, depois de ter feito clássicos eternos da MPB, como A Banda, Construção e Roda Viva, Chico surpreendeu a todos com As Caravanas. Em suma, essa canção incorpora beats de Funk, militância antirracista e poesia. Faixa título do último álbum desse monstro sagrado da MPB, esta tem que entrar na playlist, com certeza!

Zeca Baleiro

Zeca é um desses artistas completos. Além de ser um excelente instrumentista (violonista), o cara é um grande fazedor de belas canções. Aliás, soma-se a isso o fato de que Baleiro é outro que eleva a letra de música na MPB à categoria de poesia. 

Pra entender o que estou falando, se liga em À Flor da Pele. Saca só a maravilha que é esse arranjo de violão e a poesia dessa letra. Ah, melhor ainda, faça isso aprendendo a tocar esse som com o Leo Eymard aqui no canal do Cifra. Se liga na aula!

Sérgio Sampaio

Apesar de não ser cultuado entre o grande público, Sérgio Sampaio sempre estará entre os melhores artistas da MPB. Inclusive, Sérgio sempre será um dos membros do clube “malditos da MPB”, uma espécie de movimento formado por artistas cujas propostas não eram bem-vindas nas gravadoras.

Conterrâneo de Roberto Carlos, esse ilustre cidadão de Cachoeira do Itapemirim ele estourou nas rádios com Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua. A canção foi apresentada no festival, em 1972, no Festival Internacional da Canção. O hype na época foi gigante e o cara não soube lidar com o sucesso.

Belchior

Belchior foi protagonista do movimento que ficou conhecido como o Pessoal do Ceará. Em outras palavras, estamos falando da galera do Nordeste que “chegou chegando” nos 1970, nos festivais de música da época.

Sempre controverso, o artista ficou no ostracismo por um tempão, sumiu, virou meme (onde está Belchior), depois virou mito… infelizmente, no entanto, esse é outro grande poeta da MPB que não teve o reconhecimento que merecia em vida. Resumindo, ele encerrou sua carreira de maneira um pouco trágica e misteriosa.

Todavia, Belchior deixou sua marca indelével na história da música brasileira, sobretudo com o álbum Alucinação, de 1976. Trata-se de uma obra prima da MPB. Nessa bolacha, você encontra clássicos absolutos da MPB como Apenas Um Rapaz Latino Americano e Como Nossos Pais.

Além disso, canções de sua autoria como Sujeito de Sorte reverberam ainda forte nas gerações atuais. Inclusive, o rapper Emicida é um dos responsáveis por reavivar a obra de Belchior. Afinal, o sample dessa canção que abre o single AmarElo, do rapper paulista, ajudou a conectar as novas gerações com a obra do mestre. Confira o clipe desse hino:

Elis Regina

Para começar a falar de Elis, vale a pena trazer a canção do Beto Guedes sobre ela, No Céu Com Diamantes. Aliás, a cantora tem uma relação especial com os compositores mineiros, sobretudo com o Milton.

Ela foi um dos primeiros destaques dos festivais de música brasileira nos anos 1960. A canção Arrastão, composta por Edu Lobo e Vinícius de Moraes foi, inclusive, a primeira a ser classificada com o termo MPB. E foi com a sua performance emocionante dessa música que a cantora ficou conhecida no Brasil todo.

Como começamos falando da Elis pela canção do Beto, vale a pena destacar também o disco da mais Clube da Esquina de todos. Ou seja, por um dos álbuns da pimentinha que melhor ilustram a conexão da cantora com a música mineira. Estamos falando de Elis, de 1976, este álbum é absolutamente insuperável! 

Confira Caxangá, música que abre esse trabalho e que conta com harmonias vocais maravilhosas do Milton Nascimento.

Milton Nascimento

E por falar nele, não poderíamos deixar o Milton “Bituca Nascimento” de fora. Afinal de contas, o homem foi o catalisador de um dos principais movimentos dentro da MPB. O Clube da Esquina.

No princípio era só o encontro de amigos gênios… gente como Milton, Lô Borges e Wagner Tiso, na esquina mesmo. Foi no bairro de Santa Tereza, em Belo Horizonte, que essa galera começou a gestar clássicos da MPB. Músicas como Para Lennon e McCartney e Maria Maria foram compostas assim, na rua. 

Além disso, Milton é dono de uma das vozes mais importantes da música. Tanto que foi regravado por artistas de peso do mundo todo. Aqui você fica com ele, acompanhado de seu parceiro Lô, interpretando a canção que nomeia o movimento que ajudou a fundar.

Esperamos que você possa curtir o som dessa galera monstra aí! Elencar os melhores artistas da MPB não é das tarefas mais fáceis, por isso quisemos fazer assim, de forma subjetiva mesmo. Se você achou legal esse nosso recorte, espalhe a palavra do Cifra compartilhando o post com seus amigos!