Retrospectiva 2020: relembre os fatos que marcaram a música neste ano

Por Gustavo Morais

Marília Mendonça fez várias lives durante o ano

A cantora Marília Mendonça em uma de suas lives, formato de show que foi a cara do ano de 2020 (Foto/Internet)

A retrospectiva é o primeiro ato para começar a contagem regressiva para o fim de 2020 já começou Candidato a marco zero do período mais complexo do século XXI, este ano não deixa saudades, mas fica a esperança de que os ventos de mudanças chegarão.

Dito isso, chegou a hora de olharmos para o retrovisor do universo musical. Sugiram tendências, sofremos com perdas e acompanhamos várias mudanças.

No post de hoje, faremos uma breve retrospectiva da música em 2020. A proposta desta nossa conversa é relembrar alguns fatos e acontecimentos realmente relevantes, ou seja, não há citações sobre divórcios, brigas entre artistas, etc e tal. O nosso foco está nos lançamentos, nas tendências, entre outras coisas.

Bora conferir um recorte de como foi este ano?

Mudanças na indústria da música

A pandemia da Covid-19 revirou o mundo de ponta à cabeça. Como não poderia ser diferente, a indústria da música também foi impactada com a maior crise sanitária do século XXI. De um jeito ou de outro, os profissionais do setor buscaram formas de readaptação, pois, afinal de contas, o show tem que continuar.

Gusttavo Lima, o Embaixador, senta no palco durante apresentação

O cantor Gusttavo Lima foi um dos artistas que mais souberam aproveitar os novos formatos de show (Foto/Bruno Fioravanti)

Com a proibição de aglomeração de pessoas, a saída foi apostar em novos formatos de apresentações ao vivo. Nesse contexto, testemunhamos a consolidação das lives. Ao menos entre os artistas brasileiros, as transmissões via plataformas digitais ganharam contornos amplamente profissionais – com direito a patrocinadores e anunciantes – e viraram eventos de longa duração. Em menor escala de projeção, também acompanhamos o surgimento dos shows no formato drive-in.

Leia também:

As grandes estrelas continuaram na ativa e faturando seus caches. Em contrapartida, o artista que não tem uma carreira totalmente sustentável, continua sem soluções eficientes para colher os frutos de seu suado trabalho. Fica aí a reflexão sobre as preocupações do Estado para com a cultura…

Os principais virais do ano

Não deu outra: 2020 também teve seus virais. Se você tem WhatsApp, ou qualquer outro tipo de contato com internet, certamente foi impactado pelo “meme do caixão”. Na real, essa faixa se chama Astronomia e é criação de um artista chamado Tony Igy.

A música feita no Nordeste mais uma vez conquistou públicos ao redor do Brasil. Se num passado recente o arrocha e o brega deram o que falar, 2020 foi o ano da pisadinha, a variação do forró mais contagiante do momento. Abaixo, você confere algumas peças importantes desse quebra-cabeça que é a música brasileira popular.

Barões da Pisadinha

Rodrigo Barão (vocal) e Felipe Barão (teclado e vocal) fazem um som que mistura forró com tecnobrega e pitadas de pop. A bordo do DVD Conquista, que foi lançado antes da quarentena, o duo emplacou 17 músicas no TOP 200 do Spotify. Porém, o hit que fez os Barões voarem cada vez mais alto é a contagiante Tá Rocheda.

Rita – Tierry

Cantando e contando o sofrido fim de caso com uma moça chamada Rita, o baiano Tierry fez muito sucesso em 2020. Esse barulho todo é fruto do talento de único de compositor de Tierry, que também é chamado “TieHit”. Muita gente por aí já aguarda ansiosamente qual será o próximo “causo” que esse artista tão diferenciado vai contar.

Artistas que morreram em 2020

A música ficou órfã de inúmeros talentos. O obituário é imenso e todos os que partiram terão o eterno respeito da comunidade musical. A seguir, você confere alguns dos artistas que morreram em 2020.

Neil Peart perdeu a batalha contra um câncer no cérebro em janeiro, aos 67 anos. Empunhando as baquetas do Rush, Neil ajudou a moldar o papel da bateria na música do século XX.

Arnaldo Saccomani faleceu no final de agosto, aos 71 anos, por causa de problemas renais.

Eddie Van Halen nos deixou em outubro, aos 65 anos. O saudoso, inesquecível e verdadeiro gênio da guitarra lutava há décadas contra o câncer.

Gerson “King” Combo faleceu em setembro, aos 76 anos. O pioneiro do funk e soul teve infecção generalizada e complicações de diabetes.

Little Richard morreu em maio, aos 87 anos, por complicações de um câncer nos ossos. Pioneiro do rock, ele mudou a música do século XX.

Moraes Moreira morreu, aos 72 anos, em maio, vítima de infarto agudo do miocárdio. Com seu talento extraclasse, Moraes fez história na MPB.

Parrerito não resistiu às complicações da Covid-19, aos 67 anos, em setembro. Fazendo a primeira voz do Trio Parada Dura, desde meados da década de 80, o cantor se consagrou como uma das melhores vozes da música sertaneja.

Parrerito foi a voz do Trio Parada Dura por quase 40 anos

O cantor sertanejo Parrerito, do Trio Parada Dura, foi uma das muitas vítimas da Covid-19 (Imagem/Divulgação)

Paulinho, do Roupa Nova, faleceu, aos 68 anos, em dezembro. Ele testou positivo para a Covid-19 enquanto se recuperava de um transplante de medula óssea.

Ubirany morreu em dezembro, aos 80 anos, de Covid-19. Mestre do samba, ele foi um dos integrantes mais lendários do Grupo Fundo de Quintal.

O ano de Bad Bunny e do BTS

Superstar do reggaeton, o porto-riquenho Bad Bunny tem experimentado o sabor do sucesso. Com cerca de 8,3 bilhões de reproduções [e contando], atualmente ele é o artista mais escutado mundo afora no Spotify. Graças ao sucesso do hit Yo Perreo Sola, Bunny faturou uma estatueta do Grammy Latino 2020. Além disso, o álbum YHLQMDLG representa a redefinição de música feita para festar!

Em agosto, o grupo de K-pop BTS lançou o clipe de Dynamite. De lá pra cá, já são mais de 628 milhões de views no YouTube. Além disso, a faixa estreou como número 1 na parada diária Top 50 do Spotify, com seus 7,778 milhões de streams.

Discos, clipes e músicas que foram destaque em 2020

Por mais que muitos sejam pessimistas, 2020 foi um ano rico em lançamentos. A seguir, vamos relembrar alguns deles.

Ícone do R&B alternativo, o canadense The Weeknd lançou o excelente After Hours. Quem também arrebentou foi Taylor Swift, que mostrou toda sua versatilidade com o disco Folklore.

Capa do single Blinding Lights, hit do cantor The Weeknd

Blinding Lights, do The Weeknd é um ótimo single de um excelente disco (Foto/Divulgação)

Depois de muita incerteza sobre o futuro, o AC/DC retornou à ativa. Com direito aos retornos de Brian Johnson (voz), Phil Rudd (bateria) e Cliff Williams (baixo), os gigantes do hard rock gravaram o disco Pwr Up.

O ano também foi marcado pelo lançamento de clipes criativos, instigantes e bem produzidos. Segundo a Billboard, Watermelon Sugar, do Harry Styles, foi o melhor videoclipe da temporada 2020.

Do lado de cá da Linha do Equador, os artistas também emplacaram vários sucessos. O Embaixador Gusttavo Lima, por exemplo, lançou Café e Amor. As Patroas Marília Mendonça e Maiara e Maraisa lançaram vários singles, incluindo Quero Você do Jeito Que Quiser. Já Gustavo Mioto atingiu um novo patamar de sucesso, graças ao hit Com Ou Sem Mim.

That’s all, folks! Com perdas irreparáveis, problemas sérios e muita música boa, fechamos o balanço deste 2020. Como resultado, fica a certeza sobre a diferença que a música faz nas nossas vidas.

Utilizamos cookies para personalizar sua experiência. Ao acessar o site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.