Obstinado (part. Djonga e Filipe Ret)

Delacruz

[Filipe Ret]
Minha vida não é o que eu posto 
(agora eu tô querendo o mundo)
A guerra é pra quem bota a cara, 
apesar de tudo, é por isso que eu 
boto
Eu tô subindo além do que eu posso 
(foco pra cima)
Linhas que viciam feito cocaína, eu 
fabrico a matéria-prima do negócio
Enquanto hoje aqueles que promovem o
 ódio
Tão mais iludido do que viciado na 
onda do bicarbonato de sódio
E o nosso Estado só te testa
Remove minha grana, estraguei tua 
festa
Sanguessuga arrombado, nós é água e 
óleo
Além do melhor, garimpando ideias no
 ócio
Eu tô lucrando sem vender pó a cada 
embalo do meu relógio
Ninguém define o que eu posso
Obstinado, a meta é vencer, eu tenho
 o poder de quem tá no pódio (nego)
Partiu baile de lei, yeah
Tique-taque, lucrei
Pique Pac, voltei, yeah
Humildade te faz rei

[Delacruz]
Quase não falo de dinheiro (não, 
não)
Eu tenho mais do que eu preciso
(Eu quero) paz pro coração
Já disse meu mano Tikão
Sou rico de saúde e de amigo
Quase não falo de dinheiro, não, não
Eu tenho mais do que eu preciso
Quero paz no coração
E é como disse meu mano Tikão
Sou rico de saúde e de amigo

[Djonga] Eu sou o dono da caneta que destrói impérios Tô queimando mais racista que Daenerys puta E minha única diferença pra esses cara branco Não é o tamanho da vitória, e sim o tamanho da luta Dos polícia eles conhece o distintivo, nós conhece a bota Tem algum dermatologista aí pra me explicar Por que que a pele negra é pele morta? Mãe, eu tô na Europa! Boto comida na boca de dez família preta Empreguei quem tava no crime, sei apaziguar treta Tô até hoje na minha área, ela não é perfeita E se eu sair, levo geral, porra, me respeita! E eu sou o cara do momento, o dono da cena Fiz falarem que eu era ladrão na sua TV Avisei antes, e não era no programa do Datena Foi em horário nobre, pra burguesia ver Ou melhor, nós fizemo isso Enchi dos nosso a casa mais de boy da minha cidade Acredite, nós fizemo isso E pro terror do opressor não é nem a metade Aqui não tem essa de punchline, eu tô na slackline, a vida é corda bamba Falam de igualdade na corrida entre o leopardo e a mula manca Disse que eu era Deus, mas eu sou mais um homem Que veio falar que sagrado é o microfone Então não pega nessa merda pra falar mentira Quantos sangraram pra que hoje cê possa ser um clone de gringo? Um produto, mais um que vai passar daqui a uns ano Quando acabar os holofote, diz: O que você cumpriu dos plano? E quem sobrou dos mano? Olhe o fundo do meu olho e veja Racionais, a fúria negra ressuscita outra vez Minhas rimas só ficam mais passionais Não tenho mais nada pra provar procês Trago Malcolm nas linhas, isso é uma guerra Jogaram pedra na caixa de abelha Tô criando um exército E hoje quando o Djonga fala, o resto abaixa a orelha Porra, Dela e Ret, nós é diferente, cê sabe Respira igual, caga igual, come igual, vai nos lugar igual Que quem é igual a mim não cabe E tem uns mano que wannabe preto porque fuma cannabi' E viu uns presunto Mas num passa um dia o que eu passo em dez ano Nunca mais toca no assunto [Delacruz] Quase não falo de dinheiro, não, não Eu tenho mais do que eu preciso Quero paz no coração E é como disse meu mano Tikão Sou rico de saúde e de amigo Quase não falo de dinheiro, não, não Eu tenho mais do que eu preciso Quero paz no coração Já disse meu mano Tikão Sou rico de saúde e de amigo
Composição: Daniel Azevedo Da Cruz / Delacruz / Filipe Cavaleiro De Macedo Da Faria / Gustavo Pereira Marques / Kayuá / Lucas Malak / MC Du Black / Sant / Tiago MacColaboração e revisão: Helena Tonelli

Utilizamos cookies para personalizar sua experiência. Ao acessar o site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.