Amor Só De Mãe

Detentos do Rap

Vai vendo, quando estou no veneno 
preciso de uma ideia não vejo 
ninguém
Familiares, parceiros só pensam no 
que convém, não cai e aí ladrão sei 
muito bem quem foi por, mim só Deus 
sabe o que eu
Passei meu amor é de mãe só, penso 
assim
São vários os patifes que apertam 
minha mão me chamam de irmão, mas 
viram as costas quando a necessidade
 bate no meu portão, eu sempre corri
 pelo certo não sou Deus pra ser 
todo correto, não abaixo a cabeça 
pro meu desafeto, se é vem... 
Pensamento é concreto
Lamento se a inveja foi mais forte 
do que a sensatez
Detentos agora e pra sempre, a bola 
da vez eu sim, vi, corri e fiz por 
onde o barato virar, dificuldades eu
 passei mas eu resisti as 
artilharias que por sinal cuzão foi 
fracas demais
Eu acreditei, eu acredito que a 
moral não se ganha se faz, corre 
atrás pois não vou dá asa... Pro 
inimigo, viveu mas não viverás pra 
ficar no nosso ritmo
Quem é sabe o que eu falo não quer 
ser, pois já é de fato não faz o 
barato de embalo, não vive e nem 
corre atrás de status
Parceiro só Deus nele é a única 
confiança e nela é o único amor é a 
fonte desde criança
Não temo pois em algum lugar sei que
 Deus "tá" olhando por mim, e você 
que abraçou o mundão que nada fez 
por ti
Fim de ano ali dentro guardado, 
castelo é só champanhe... Guarda pra
 você vagabundo
O amor é só de mãe
- Alô!
- Alô, filho? É a mãe, onde é que 
"cê" tá?
- Oh mãe, tô fazendo um corre com os
 parceiros que foi preso no assalto 
ali
- Assalto? E você como é que "cê" 
tá?
- Tô bem mãe... Ai nóis foi fazer um corre com a mãe do parceiro ali, entendeu? - Mas é o seguinte, caiu no esquecimento, mais aí, tá preso Mas não tá morto não... Tá preso, mas não tá morto não Entendeu? - Tá bom filho, Deus te acompanhe Dominou sem visita, e o resto da grana a polícia deu o bote, seus parceiros da cena veio por você entraram em choque Três anos se passou e a loira tingida trabalha no 12, que valor que isso tem agora já matou pela vaca e nos dias de hoje seus filhos estão jogados, de aviãozinho na amargura, que que você quer pra ele, a mesma tabela ou a mesma loucura!? Truta agora percebe as pessoas que você deu valor, enquanto aquela que merece, implorava pelo seu amor Do que adiantou as noitadas com as vagabundas que só queriam Dinheiro, quantos mil reais na cena mas é só ela que "tá" sofrendo Bandido reflita na ideia, raciocina, porque o caminho é Constante, sem liberdade e sem aliado mas com amor que é de mãe - Na vida do crime eu me entreguei e pra sobreviver eu tive que matar... E lágrimas de mãe... Fiz rolar - Saiba filho que eu te perdoei... E pra te ver feliz eu tive que chorar, só não quero lamentar... Quero te ver voltar É foda saber que já magoou quem mais te amava, por mais que respeitado no crime vagabundo, agora se sente um nada parceiro O mundo dá volta e é sempre ela que vai te ajudar, por mais que a gente fale de irmão, é só nela que dá pra confiar Compartilha a tristeza e alegria pois ninguém é tão fiel assim e eu sei o que ela pedi pra ela, é porque jamais vai querer pra ti, entende agora vagabundo, porque o amor é só de mãe? Viva por ela, dê o valor naquela frase "Deus te acompanhe" ; aí dentro quem manda seu jumbo, está sempre presente em dia de visita, quem desmaiou e quase morreu de enfarte com a notícia Desamparada chicote estralando, dentro da prisão e a tropa choque invadindo e só ela com o coração na mão, sabendo que quem não senta pra aprender jamais ficara de pé para ensinar e que o crime ele é o que é, mas ele jamais vai admitir as falhas Ela pede a Deus que sempre te ilumine e que te Acompanhe, o exemplo é pra você vagabundo e o amor é só de mãe - Não me lamentei quando até matei, vendo lágrimas de mãe que fiz rolar - Mas só eu sei, tudo o que eu passei, quando pra vida do Crime tive que voltar - Meu filho? Dia 15 de outubro de 93, lembro como se fosse ontem Favela cercada, minha casa invadida pensei até que era um assalto... Mas não, de repente eu vi o nome do meu filho sendo gritado, o polícia invadiu minha casa, levou meu filho lá pra fora... Mataram ele, jogaram uma "pá" de droga em cima, depois disso minha vida mudou completamente - Meu filho eu perdi em 92 no massacre do Carandiru, não apresentaram o documento, nem o corpo no IML Desde o dia do massacre - Meu filho? Meu filho é um jovem, jovem preso em uma cadeira de rodas, pro resto da vida Toda mãe sabe, tapa o Sol com a peneira... E eu fui mais uma
Composição: Colaboração e revisão: James Santos

Utilizamos cookies para personalizar sua experiência. Ao acessar o site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.