Kyoto

Froid

Uh
Yeah, yeah, yeah

O remédio pra dor na cabeça bate
Por essas e outras, não jogo mais
Eu materializo a fé que vale paz
Me deixa que assino esse xeque-mate
Ilusões que paguei nesse pesque e 
pague
Disse: É que choveu, mas foi 
canivete
Manchete é só sangue por acidente
Mas pro seu presidente é só 
mеrchandising
Nunca usei só pra contar vantagem
Você sabe disso, você sabе do 
sacrifício
A vida me fez vigiar o que piso
Eu só posso dizer o que vivo
É meio difícil viver como arquivo 
morto (ahn)
Invadindo o parquin dos outro
Patriotas, alguns trocam vidas por 
patrimônio
Mas quem dera fosse em Kyoto, hein?
Tamo no Braza pisando em ouro
No meio do ringue que nem Lyoto
Ignoro o tempo porque tô em outro
Toda semana é meu ano novo
Mano, representando a minha pessoa
Podia fingir que era gente boa
Se eu fosse Wagner Moura
Mas eu sou um bruxo e essa vassoura 
voa
Fazendo mágica boa Não sei por quê, mas isso alivia a dor E a dor é minha assinatura Meu médico que falhou, meu médico que infartou Posso pisar na Lua Só que eu vim da rua Cê fala o que quiser, meu mano Isso não muda porra nenhuma Agora é oficial Que eu sempre falei do policial Quem curte lavagem é porco e a sua foi cerebral O lance de diss ficou pessoal Eu faço outro disco pro pessoal Até você ver que o inimigo são todos os caras de terno e gravata no tribunal Você é ladrão de varal Arma? Meu pai tinha um arsenal Com oito anos pus munição Um anjo salvou minha vida, premonição Então, negão Armas são armação Atenção aos agitadores As almas precisam de salvação Isso é tão lírico que eu nem preciso mais pôr refrão (Oh, oh, oh, oh) yeah, yeah (Oh, oh, oh, oh) (Oh, oh, oh, oh) (Oh, oh, oh, oh) Hmm, Malcolm X pelo Texas Malcolm X pelos niggas Pelos livros que eu tive acesso Minha obrigação é espalhar pro resto Mal conhecem minha magia Choque elétrico, água viva Tô no inferno como andante Como Dante, como Bia Minha caneta, minha grafia Dente range enquanto afia Caderneta de pôr rima Português lá de Coimbra Tudo pela rebeldia Tão descendo das colinas Se prepara, é farroupilha Imagina na Inglaterra A ilha afunda com a rainha Mas se fala só em guerra Eu espero que isso mude Eu espero que se unam E que saiam da caverna Yeah, woo
Composição: FroidColaboração e revisão: Ana Giusti

Utilizamos cookies para personalizar sua experiência. Ao acessar o site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.