Quando o Pai Se Vai

Gog

C
123
X32010
Em
12
022000
G
123
320003
Tom: G
G G G G Em Como vou deixar você... Se eu Em C C te amo... G G Ele partiu e no seu lugar ficou o G vazio G Me lembro bem o dia, nem se Em despediu, Em Brigou, falou, sem pensar e saiu, C C Foi melhor, nunca o vi tão hostil G G Meu sobrinho me disse que ouviu G G Ele perguntar - o supletivo, pra que serviu? Em Em 5 anos desempregado, vivendo de bico C C É mais triste que o penalti perdido do Zico (vix) G G Vou deixar essas idéias de lado G G Vida é vida não é campeonato Em Em Mas na real, vou te confessar C C Pensei que ia voltar, cansei de esperar G e continua assim, é só pega o tempo certo. Tenta toca junto E em desespero eu andava em círculo com a música que pega mais rápido. E o natural veio de capítulo em capítulo Num cubículo minha mãe, meus irmãos e eu Sem água, comida, energia, no breu Num sofrimento sem par, Hoje almocei, mas não sei se eu vou jantar, Por mim, consigo agüentar Mas minha mãe não consegue mais amamentar E me vem na mente meu pai em coma alcoólica Desperto da viagem com o nenê sentindo cólica E agora, o que faço eu? Promessa pra São Judas Tadeu? Eu? Eu vou na casa daquela dona da parabólica Tirei a pipa da antena ela ficou eufórica Quem sabe me ajuda ou conhece alguém Pra dar um remédio pra crise do neném Acho que ela não está E agora como é que eu vou fazer pra voltar, Um rápido sorriso me vem no rosto, Rindo de mim mesmo de dar gosto Vim resolver um e arrumei outro problema Pior duas horas a pé, que cena!
O lado bom é que vai dar pra refletir um pouco Ralei atrás de trampo esses dias feito louco Fui até em lugar que não era necessário Fui humilhado pelo empresário E do bolso gastei meu último troco Pra ouvir ele gritar até ficar rouco Sem qualificação, não tem produtividade, Primeiro grau é diploma de imbecilidade Segundo grau perdeu a validade Tem que ter faculdade Esses cara falando, quase me arrasa, Mas do jeito que dá sustento minha casa Não sei porque não respondi na mesma tonalidade Ninguém se qualifica sem primeira oportunidade Que o requisito principal é honestidade Que chegaria a qualidade, que tenho necessidade Esses cara, financiado pelo pai Chama a segurança e grita: sai! Foi melhor eu ter me controlado Já pensou eu sair de lá algemado Mato minha mãe de desgosto Não quero ver minha velha tomando soro no posto É umas fita que a gente passa e que nunca imagina Só sei que, necessidade não é sina Vou falar igual o zé, emprego eu escolho Chegando em casa vou botar os pés de molho Mas que nada, amanhã tudo vai se resolver De novo o choro agudo do bebê E de novo a deprê bate a ficha cai Quando o pai se vai... (refrão) Como vou deixar você Se eu te amo Como vou deixar... Do outro lado, no outro extremo da cidade, Estória inversa é realidade A de um pai que honrou sua paternidade E que criou seus filhos mesmo com adversidades Tempestades não faltaram, na sua vida Quatro crianças pequenas, perdeu a patroa querida Colesterol elevado, pressão muito alta E na farmácia do SUS, o remédio sempre em falta Juntou-se a fome com a vontade de comer Assistiu o filme que eu não queria ver Heroicamente, não se entregou à bebida Mantendo a cabeça sempre erguida Enfrentou a saudade, o desemprego, Por seus quatro moleques tem um apego! Evitando o trágico, disse não ao tráfico E no tráfego, trafegou, testando seu ego Calça suja, camisa furada e chinelo Trabalhava do vermelho ao amarelo Chocolates, frutas, água mineral A senhora apavorada avançou o sinal Sobe a bolsa de valores vários pontos Some a bolsa com valores da madame, ela ao prantos Todo dia uma batalha sei o fato gerador Não se encerra essa guerra, oprimido e opressor Sai de casas antes do sol raiar "ninguém vê sair, ninguém escuta chegar!" Final de semana pra ele era sagrado Não ia pro farol não lavava um carro Era dedicado à casa e aos filhos Dever de casa, manter os moleques nos trilhos Cada um tinha uma obrigação, Levantar, dobrar cobertas, nada de lixo no chão Ele se irritava profundamente, Com pai que faz filho e nega lá na frente Com pai, que não paga p.a., Com o argumento que a mãe irá gastar Com batom, com salão Fazendo compras sem precisão. Altas desculpas, pra não manter o compromisso Pra ele, os filhos não tem nada haver com isso Pensou em casar, mas não arrumou ninguém Que tratasse seus filhos bem Da forma que ele realmente queria E fez um voto que viúvo continuaria Acredita que a educação é necessária Apresentou pra eles a biblioteca comunitária Que ficava bem perto da sua moradia Um lugar que sozinha a criançada ia Não deixava ouvir rap, mas observador Passou a prestar atenção nas letras e liberou Dizia sempre que a leitura Faz a pessoa mais inteligente e com cultura Foi vendo a criação dessas crianças Que passei novamente a ter esperanças Numa geração em que poucos acreditam E que muitos impiedosamente criticam Isso me faz crer, que o hip hop precisa dizer Que muito pai faz por merecer Que o filho contrai muita doença Com a sua ausência, sem sua presença Quero transmitir em primeira mão a noticia Que mais que repressão e polícia Toda geração precisa de incentivo senão cai, É triste ver, quando o pai se vai... (refrão) Todo respeito ao seu Genésio Gonçalves Batista, meu pai. Um grande pai!
Composição: Colaboração e revisão: Mário Lucas

Cifra Club Academy

O ensino de música que cabe no seu tempo e no seu bolso!

Quero conhecer os cursos
Cifra Club Pro

Entre para o
Cifra Club PRO

Tenha acesso a benefícios exclusivos no App e no Site

  • Chega de anúncios

  • Mais recursos no app do afinador

  • Desconto em nossos produtos

  • Entre outras vantagens...