CANGURO

WOS

Hoje, não vou sair e vou ficar Nas nuvens, onde ninguém sobe Não venha me encher o saco Dizem que tá tudo ruim, pois bem Eu estou mais que bem aqui E não penso nem em te olhar, cego Vamos, reprimam a merda Que têm guardada no peito Engulam e fiquem quietos, até se despedaçarem Fiquem sempre com o peito estufado O encha, o remova Faça o que quiser, mas tire isso O encha, o remova Faça o que quiser, mas tire isso Ei, preste atenção em mim Ou não percebem que sou o rei? Prestem atenção em mim, pois sou a lei Me dê aqui meus comprimidos e meus cigarros Pata de canguru, chute forte Eu não vou parar com isso, mano, te juro Trago cianureto pra colocar na sua bebida Cinco minutos aqui e já estamos fazendo um estrago Um mago quer nos fazer desaparecer Mas essa praga rara nunca para de crescer Somos dos poucos loucos que andam buscando prazer E mesmo que queiram nos ver quebrados, não damos o braço à torcer Não para de tossir, trabalhando doze horas Cobra uma mixaria ao mês pra sustentar quatro pessoas
E não me venha falar em meritocracia, me faz rir, não me foda Que, sem oportunidades, essa merda não funciona E não, não precisamos de gente que trabalhe mais Precisamos de gente que, com menos, possa viver em paz Dá um gás, não se perca, acordou em sei lá onde Sempre preste atenção em qual lado do pavio você tá Eu disse: Se prepara Isso gruda que nem chiclete A galera dança loucamente O pescoço balançando A droga nos dedos Que vai de boca em boca Sente como ela bate Essa droga me deu uma onda Pulo como uma pulga, começou o expurgo Deixo tudo fresco como PXXXR GVNG Outra vez com sede, entre febres e enxaquecas Volto a sonhar com um velho no meio de uma montanha Me olhou e disse: Da vida, nada se leva E isso da juventude, é só uma atitude da alma Que bela virtude, agora minhas entranhas queimam A melhor conversa que já tive com uma aranha Não sei que horas são e nem quero saber Aqui, sempre são quatro e vinte E estamos bem doidos, som humildade Cerveja barata e mala na mão E mais essa planta sagrada Que acalma o corpo de te desestressa A vizinhança tá agitada, no cu não passa agulha Entendo que te incomoda, você não tem empatia E agora gritamos e cantamos em forma de protesto É porque tentamos perguntar de boa, mas ninguém nos deu uma resposta Se acham donos Saiam do caminho, falo sério Fora o tanto que bebem do barriu Tiram o líquido dos jovens e matam seus sonhos Bom jogo Do submundo, das águas Que estamos agitando de novo Tirando pra fora todos esses parasitas, tolos Não venha me encher o saco Dizem que tá tudo ruim, pois bem Eu estou mais que bem aqui E não penso nem em te olhar, cego Vamos, reprimam a merda Que têm guardada no peito Engulam e fiquem quietos, até se despedaçarem Fiquem sempre com o peito estufado O encha, o remova Faça o que quiser, mas tire isso O encha, o remova Faça o que quiser, mas tire isso Ei, preste atenção em mim Ou não percebem que sou o rei? Prestem atenção em mim, pois sou a lei Me dê aqui meus comprimidos e meus cigarros
Composição: Facundo Yalve / Valentín OlivaColaboração e revisão: Taylor Oliveiraangeldust ;