Os melhores baixistas para você inspirar sua grooveria

Por Izabela Ventura

Há vários perfis de baixistas por aí. Tem os mais tranquilos, que fazem uma base suave no fundo. Ou, ao contrário, há os mais vorazes que, por suas vezes, quase estouram os amplificadores. Cada um com seu estilo, hoje você vai conhecer os melhores baixistas de todos os tempos. 

O saudoso Jaco Pastorius sempre estará entre os melhores baixistas
Jaco Pastorius está para o baixo, assim como Hendrix está para a guitarra (Foto/Divulgação)

Acima de tudo, é certo que um baixo tecnicamente bem executado é capaz de fazer o coração bater mais forte. John Entwistle, Jaco Pastorius, Flea e tantos outros são (ou foram) experts nisso. Neste post, selecionamos talentos que deixaram sua marca no instrumento. Assim sendo, tá pronto pra baixaria?

Melhores baixistas de todos os tempos

Antes de tudo, lembre-se de que é impossível elencar todos os baixistas do universo num post só. Dito isso, nossa escolha foi baseada em artistas fora da curva, que inovaram em algo capaz de mudar os modos de tocar o instrumento. Além disso, outro critério para nossos escolhidos foi ter uma habilidade acima da média. 

Agora, descubra quem são nossos “bass heroes” e por que eles são os melhores!

Larry Graham 

Quem vai abrir a nossa lista de melhores baixistas, meus caros, é ninguém menos que o pai de uma das mais importantes técnicas de baixo. Estamos falando do Larry Graham, a quem é atribuída a criação do slap.

Dessa forma, Graham foi o precursor das técnicas percussivas no baixo. Influenciou, assim, o funk e o soul nos anos 70, com todo aquele gingado pra tocar. Resumindo, é o mestre dos mestres!

Jaco Pastorius

Considerado o maior baixista de todos os tempos, Jaco Pastorius radicalizou a função do baixo na música. O mais importante, foi extrapolar a função um tanto tímida que o instrumento costumava ter nas músicas, por volta da década de 1970. Além disso, fazia solos de jazz como ninguém, quase impossíveis para dedos humanos.

Sempre insatisfeito com limites e convenções, Jaco arrancou os trastes do baixo, um surrado Fender Jazz Bass que ele chamava de Bass of Doom. Ou seja, Baixo da Ruína, em tradução literal.

A Weather Report foi uma das bandas que ele integrou, sendo influência importante, sobretudo, no jazz fusion. Jaco morreu de forma trágica e violenta em 1987. No entanto, deixou um legado inquestionável e até algumas videoaulas, como esta aqui (ative as legendas):

James Jamerson

Um dos baixistas mais importantes da história do pop, James Jamerson foi um herói do baixo elétrico. Ele era o principal instrumentista da gravadora Motown, referência em soul e R&B nos anos 60 e 70. Nessa época, gravou com astros como Stevie Wonder, Marvin Gaye e The Temptations, fazendo total diferença no sucesso das músicas.

James ia além das linhas básicas e, dessa forma, aumentava as possibilidades rítmicas do instrumento. Além disso, passeava pelas 4 cordas com cromatismos perfeitos e grooves até então inimagináveis. Hoje, é um dos nomes listados no Hall da Fama do Rock.

Em My Girl, por exemplo, há uma linha de baixo icônica de James. Aliás, talvez ela seja mais conhecida até do que a letra da música.

Charles Mingus

Agora, voltando para o jazz, temos Charles Mingus, o cara que fez tremerem as bases da música. Primeiro, porque era um prodígio, começando ainda criança no trombone e violoncelo. Depois, levou vários elementos do erudito para o jazz, quando migrou para o contrabaixo acústico.

Posteriormente, na faixa dos 20 anos, entrou para a orquestra de Louis Armstrong. Porém, um dos feitos mais importantes foi fundar o grupo Jazz Composers Workshop, um divisor de águas para o gênero. Isso porque ampliou os horizontes com misturas de ritmos, técnicas e improvisos, sendo uma das primeiras escolas do que ficou conhecido como free jazz.

Ouça o estilo livre e genial de Mingus no álbum Pithecanthropus Erectus, um marco na história do jazz:

Flea – ícone do funk metal entre os melhores baixistas

Sem dúvida, o Flea, do Red Hot Chilli Peppers, é um baixista fora de série. Se, por um lado, o Larry Graham criou o slap, por outro lado, o Flea popularizou ainda mais esse estilo a partir dos anos 90. Como resultado, a nova geração aprendeu a ovacionar os “bass heroes”.

Pouca gente sabe, mas o australiano também é ator e começou na música ainda criança, mas como trompetista. Acredita que ele queria tocar em orquestra? Por fim, acabou se rendendo ao bom e velho rock. Que bom, né? Agora, ative as legendas e aprenda com o mestre:

Steve Harris – lenda do metal entre os melhores baixistas

Desta vez, passamos a palheta para o heavy metal. Aqui, não podíamos deixar de citar o fundador do Iron Maiden, Steve Harris.

Sobretudo, ele é aclamado por extrair uma sonoridade diferente nas notas. Pelo som, você acha que ele usa palheta. Porém, faz um tipo meio percussivo de pizzicato. O segredo, de certo, é usar giz nos dedos pra deslizarem mais rápido. Desse modo, consegue mais notas seguidas. Não é por menos que ele assina um baixo da linha Signature, da Fender.

Você, entre os melhores baixistas!

Sabia que o Cifra Club Academy também tem curso de baixo? Pois, na nossa plataforma de EAD, você aprende com os melhores professores do mercado, no seu tempo e com um preço que cabe no bolso!

John Entwistle

Voltando ao rock clássico, mais precisamente entre os anos 60 e 70, temos John Entwistle, o originalíssimo baixista do The Who. A assinatura e marca imbatível dele era tocar com três dedos da mão direita. Reinventando, assim, o velho pizzicato.

O som pesado, e, por que não, furioso, do baixo de Entwistle, fazia com que o instrumento saísse da posição de base. Dessa forma, ele foi o primeiro baixista a fazer um solo numa música de rock. Hoje em dia, isso é comum. Mas, em 1965, ninguém tinha se atrevido.

Dá uma olhada na nossa videoaula de My Generation e aprenda uma das linhas de baixo mais geniais da história do rock:

Leland Sklar

O baixo marcante de Leland Sklar o coloca entre os baixistas lendários de todos os tempos. Ele emplacou sucessos, por exemplo, ao lado de Linda Ronstadt, James Taylor e Phil Collins. Além disso, produziu trilhas para filmes e séries de TV. 

Atualmente, aos 74 anos e após mais de 2 mil álbuns gravados, ele continua na estrada com novos trabalhos. E, acima de tudo, disseminando o respeito ao instrumento e à música. 

Veja o barbudo inconfundível neste vídeo do show do Phil Collins (ele entra aos 2:50): 

Paul McCartney

É um clichê? Sim. É acima da média? Com certeza! Então, impossível não citar o baixista dos Beatles, não é mesmo? Vocalista, compositor, multi-instrumentista… Como baixista, Sir Paul McCartney é conhecido por criar linhas simples e, ao mesmo tempo, geniais. Podemos citar, por exemplo, Come Together e I Want You (She ‘s So Heavy.

Agora, aí vai uma dica pra quem quer começar a apreciar a arte do Paul. Procure por vídeos/áudios com os baixos isolados das músicas dos Beatles. São de arrepiar!

Temos mais conteúdos interessantes: