Um moleque sem nome esta parado em 
frente ao seu portão
Batendo palmas, pra chamar sua 
atenção
Com carrinho de papelão lotado de 
traumas
Ele esta preste a se tornar um homem
 sem alma
E ai, vai atender ou vai fingir que 
não esta em casa?
Tem um anjo em seu portão batendo 
palmas
Um anjo sem asa pedindo algo pra 
comer
Ele anda sozinho catando lata até o 
escurecer
O dia inteiro com fome, sujo, triste
 e cansado
Chegou em casa do férro velho com 
apenas um cruzado
E um saquinho de um quilo de fuba 
nas mãos
Com nove anos ele ajuda a sustentar 
seu irmãos
Criado perto das drogas e muita 
violencia
Sua infancia é questionavel lixo é 
sua essencia
Tem dois caminhos pra escolher, mais
 ninguém quer indicar
Um caminho pra seguir que só o tempo
 mostrara

O rumo o destino desse anjo moleque
Daria um livro como história mais 
rimando eu fiz um rap
Dramático, violento, cheio de 
misérias e de tristeza
Sem nada pra comer e o que avia 
sobre a mesa
Merda de rato, marca de lesma e uma 
vela acesa

Um rádio velho, com fome no inverno 
frio virou inferno
Queimando estomago vazio,quem não 
viveu essa vida
Não acredita porque não sentiu
Ninguém da nada mais nele só ele 
acredita
Que mesmo andando sujo sem nome

Deve manter sua alma limpa
De que adianta nome limpo e uma alma
 podre
Se quem tem nome nobre não tem pena 
de menino pobre
Gente esnobe ignora quem pede uma 
ajuda
Não ajuda, não estende as mãos, mais
 com as mãos afunda

Chamam ele de febem tratam ele como 
escorias
São palavras que a criança vai levar
 na memória
Hoo!!! psiu você ouviu? tem alguém 
batendo palmas
Quem sabe seja a chance de limpar 
sua alma
É o moleque de rua parado em frente 
ao seu portão
Pra viver ele tem alma, coração e um
 carrinho de papelão.

'ei criança !! me diz aonde você 
mora filho'
'ahhh meu anjo sem asa !! sai das 
ruas vai pra casa'

" eu também fui criança, um anjo sem
 nome sem asa"
"nasci assim cresci assim, eu fui 
assim e ainda sou,
Um homem sem nome só alma"

" anjo nasce, cresce e perde as asas
 "

- bom quando eu tinha 5 anos, eu vi meu irmão cata papelão Voltar podre no fim de feira, a gente comia só fruta mano, A semana inteira!! arroz, fubá a gente só comia Quando ele pedia nas casas. " com feridas no pé, apanhando de um bêbado qualquer Você viu, você riu e então é assim que você é!! ' ' um alguém que não tem sentimento E nem tem coração ' " que se engana, com fama com grana E esquece a razão " Você despreza esse molque E amanhã ele faz um rap como eu fiz Como eu quis pra tentar ser feliz Cantei pra não matar escrevi pra não chorar Catei papelão pra viver, pedi comida pra não robar Essa é a vida de quem vive atrás de um sonho Não é fácil ser um anjo crescendo entre demonios E a maioria é ser humano, cavando a sepultura Que não tem nada de humano É desumano, não é humano é criatura Tenque ser ligeiro menino Mesmo sendo desprezado Mas que não seja um viciado Ou um assassino você vai vencer esses momentos Você vai sobreviver e ainda vai dar bom exemplo No meu tempo já existia mais as chances éram poucas De ver um moleque com arma na mão e um baseado na boca Devendo pras bocas infelizmente hoje é assim Crianças maltratadas vira adolescente tão ruim Por isso então não esquece não Tem um anjo em seu portão batendo palmas Continua batendo palmas Vai la atender da uma atenção pra esse moleque Eu fui um desses aos 9 anos e hoje em dia A maioria começa aos 7. 'ei criança !! me diz aonde você mora filho' 'ahhh meu anjo sem asa !! sai das ruas vai pra casa' " eu também fui criança, um anjo sem nome sem asa" "nasci assim cresci assim, eu fui assim e ainda sou, Um homem sem nome só alma" " anjo nasce, cresce e perde as asas " Parei por aqui só vou resumir que o desprezo não é o caminho Crianças nascem, perdem as asas, andam descalços Pisam nos espinhos, e você ignora um moleque de rua Te pedindo pão, então você chora na mão Do pivete que imbassa na sua Te enquadra do nada com ferro na mão Escute de atenção ou vaza Anjos crescem e perdem as asas Na revolta invadem as casas Naquele mesmo portão onde um dia batia palmas Se a vida é um carma, talvez um dia ele volta Com uma biblia ou com uma arma. 'sou criança !! me diz aonde você mora filho' 'sou anjo sem nome sem asa !! sai das ruas vai pra casa' 'sou criança !! me diz aonde você mora filho' 'sou anjo sem nome sem asa !! sai das ruas vai pra casa' "nasci assim cresci assim, eu fui assim e ainda sou, Um homem sem nome só alma" Tem um anjo em seu portão batendo palmas E ai? vai atender ou vai fingir que não esta em casa? Um anjo sem asa pedindo algo pra comer. 'ei criança !!" "meu anjo sem asa !!" 'ei criança !! me diz aonde você mora filho' 'ahhh meu anjo sem asa !! sai das ruas vai pra casa' "nasci assim cresci assim, eu fui assim e ainda sou, Um homem sem nome só alma" " anjo nasce, cresce e perde as asas " - é a minha infancia foi assim, e a infancia de muitos Hoje em dia também tá na mesma, crianças na rua Sem educação sem alimentos, sem atenção dos pais Dentro de casa, apoiando catar papelão, tentam sobreviver, E quem adota é a própria rua, o crime, o trafico, as drogas, Vamo tentar mudar a histotia ai, dos anjos sem asas Eu também fui um.
Composição: David / E.A / Edson / MP / MPX / MPXIII / Thomas / UdsonColaboração e revisão: Pablo Vinicius

Utilizamos cookies para personalizar sua experiência. Ao acessar o site, você concorda com a nossa Política de Privacidade.